Banho de São João, tradição de cidades de MS, é reconhecido como Patrimônio Cultural do Brasil

Em 2010, municípios de Mato Grosso do Sul iniciaram o processo de reconhecimento do bem cultural em esfera federal. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (19), em reunião on-line do colegiado do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O tradicional banho de São João de Corumbá e Ladário (MS) foi reconhecido como Patrimônio Cultural do Brasil, nesta quarta-feira (19), pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A decisão em esfera federal veio mais de 10 anos após a festa ser reconhecida como símbolo imaterial de Mato Grosso do Sul.

Especialistas do Iphan disseram que a “festa junina do Pantanal” pode ser explicada como um culto ao São João Batista e ao orixá Xangô. A festividade reúne inúmeros símbolos religiosos e icônicos.

Os rituais começam com procissões pelas ladeiras de Corumbá e Ladário (MS), se ampliam em cortejos, novenas e giras em terreiros de candomblé e umbanda, reunindo a polução por meio da fé.

As cerimônias, do agora, Patrimônio Cultura do Brasil, se iniciam pela decoração de altares e andores, se estendem para queima de fogueiras e a realização de oferendas, além de rezas e terços. Na passagem dos dias 23 para 24 de junho, a população vai de encontro ao Rio Paraguai para realizar, assistir e participar do banho.

O festeiro e devoto de São João, Alfredo Ferraz, destaque que o reconhecimento do Banho de São João de Corumbá e Ladário (MS) é um grande ganho à cultura sul-mato-grossense. “É uma grande valorização do Banho de São João, do Arraial do Banho de São João. É um ganho imenso. Com o registro nacional, há mais visibilidade para uma festa que precisa ser conhecida”.

Antes da mais nova atualização, em 2010, o Banho de São João, até então apenas de Corumbá (MS), foi reconhecido como bem cultural de natureza imaterial do estado de Mato Grosso do Sul. Foi então, que o processo de reconhecimento em esfera federal, junto ao Iphan, foi iniciado.

Os estudos do instituto, realizados a partir de 2014, apontaram a necessidade de ampliar o recorte espacial, incluindo o município de Ladário (MS), onde a tradição também é realizada.

Já em 2018, o Iphan firmou parceria com a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) para dar prosseguimento ao dossiê do Banho de São João. O trabalho contou com incursões a campo para acompanhar a preparação da festa, resultando em inúmeras entrevistas, sendo 25 delas gravadas, com festeiros, devotos e autoridades religiosas e político-administrativas.

“O Banho de São João é importante celebração que compõem a identidade do estado do Mato Grosso do Sul. Pra nós, é uma felicidade imensa concluir o processo de registro de um bem tão significativo para a região do Pantanal e para o Brasil”, declarou a presidente do Iphan, Larissa Peixoto.

Devido à pandemia, desde 2020, o Banho de São João vem sendo realizado apenas em âmbito doméstico. Novenas, terços, alvoradas e levantamento de mastro são promovidos em cada residência, limitando-se o acesso à comunidade. O próprio banho na imagem do santo é feito dentro das próprias casas, em bacias ou tanques.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *